Somos seres predominantemente visuais, dependemos mais da visão do que dos demais sentidos para interagir. Porém, o sentido da visão compreende três maneiras de olhar:

  • O olhar “fisico”, que é o mais superficial e está relacionado com o nosso dia a dia, se atém ao gosto e não gosto, e é capaz de impulsionar mecanismos de consumo e de achismos, comuns nos dias de hoje.
  • O olhar “mental”, que é aprendido pelo amadurecimento técnico e traz consigo um raciocínio lógico estruturado a partir da observação, nos ajudando a transformar uma ideia em projeto, pois sistematiza tudo o que vê.
  • O olhar que “transcende”, que vai além do fisico e do mental, um olhar que contempla e é capaz de transcender as formas ao estado de poesia, que nos emociona e nos torna seres divinos na presença do belo.

Quando pequeno, eu via beleza em tudo, e era comum o estranhamento dos demais à minha volta, porque eu via o belo, até onde ninguém via nada. Confesso que há mais de 40 anos essa capacidade de enxergar além do olhar físico não parecia tão boa assim. Mas tive a sorte de ter pais que valorizavam e estimulavam essa qualidade, e assim a busca pelo olhar que “transcende”, com a maturidade passou a ser meu patrimônio, minha profissão e minha missão de vida.

Penso que foi a partir dessa busca que comecei a ser reconhecido por jornalistas e clientes como um profissional criativo. Mas o que é ser criativo?

Minhas ideias nascem das relações de aproximação entre espaço e lugar, o que romanticamente nomeei como “tensão entre o mundo e a alma”. É dessa zona de tensão que a cada projeto novas propostas do viver podem surgir.

O resultado dessa química são ambientes vivos e pulsantes que poderão ser conferidos nas seções de projetos e de depoimentos.

Galeazzo Design

Há 15 anos fundei a Galeazzo Design, meu estúdio, onde concilio minhas frentes de trabalho em design de interiores, design de produtos e consultorias.

Meus projetos são ricos em texturas, cores e referências humanas. Essas escolhas refletem o modo como entendo o design, uma ferramenta potente que acrescenta poesia a vida, não apenas por uma questão estética, mas também por sua capacidade plástica de se adequar e moldar aos processos do criar e do fazer.

No Brasil, meus projetos têm sido publicados em revistas como: Casa Vogue, Bamboo, Whish Casa, Arquitetura e Construção, Casa Claudia e no jornal Estado de S.Paulo. Na imprensa internacional, nas revistas: AD Mexico, Attitude Portugal, Interni Italia, Interni Russia, ProDesign China.

Em 2011, um projeto batizado de “Cabana Urbana” sofreu um fenômeno de pulverização na internet e foi publicado em mais de 50 países, então vieram os blogs e sites internacionais. Com esse mesmo projeto também ganhei dois prêmios durante o evento Casa Cor SP 2011 e o prêmio americano Treehugger 2012, foi uma experiência incrível que resultou em 2014, o convite da Universidade de Design de Hangzhou – China, para palestrar no evento “To The East of the World-The 15th West Lake Expo”. Lá fui prêmiado como profissional do ano.

Veja a matéria na revista Casa Claudia

10636131_868637186482683_7356313412653384216_n

A exposição internacional gerou e tem gerado muito vínculos. Há cinco anos consecutivos, tenho meus trabalhos selecionados para integrar o anuário Inglês Andrew Martim, conhecido pela indústria do design de interiores como o Oscar da Decoração.

Em 2008, fui contratado pela empresa de cosméticos Avon como consultor no desenvolvimento de produtos de decoração, foram três anos de intenso conhecimento e questionamentos, que me levaram a voltar aos estudos acadêmicos, quando iniciei um curso de MBA na ESPM em Design Estratégico. A ampliação em meu repertório em design cresceu e gerou novas consultorias para empresas como Senac SP, Mobly, Antigua e Brasil Imperial.

Não parou por ai, 2016 aguardem grandes novidades, mas esse será uma assunto para um outro momento.

High Risk Solutions